• Ranielli Silva

INSTINTO SELVAGEM EM 2020

Atualizado: Set 8

Quando resolvi rever o filme INSTINTO SELVAGEM, até mesmo por falta de opção, jamais imaginei que estaria diante um estupendo roteiro e de uma grande direção, enfim de uma grande produção.

Caro leitor, perdoe me, se as lembranças desse filme, apenas me remetia a cruzada de pernas de Sharon Stone sem sua peça intima. Na verdade, a minha geração ficou apenas com a cruzada de pernas da belíssima atriz e as cenas de nudez e sexo.

O que me chamou a atenção logo no início do filme foi sua música incidental, tenho sempre como referência BERNARD HERRMAN( Filme Psicose do mestre ALFRED HITHCOCK de 1960) e logo na sua abertura percebi ao ouvir aquela música que deveria continuar assistindo e lembrei me também de FEMME FATALE, filme de Brian de Palma( 2003) com sua magnifica direção e sua música incidental perfeita. A indicação ao Oscar de melhor trilha sonora original para JERRY GOLDSMITH foi acima de tudo um ato de justiça nesse filme de Paul Verhoven(INSTINTO SEVAGEM). O filme curiosamente não foi lembrado pela Academia.

É óbvio que as cenas tórridas do filme me deixaram de certa forma surpreso já que o filme é de 1992. Entretanto percebi elementos que tratam de comportamentos compulsivos por sexo e drogas e que os personagens envolvidos viviam claramente seus demônios pessoais assim como os personagens bíblicos da cidade Sodoma e Gomorra que fora destruída a bem da humanidade por um ser supremo.

Os personagens envolvidos não possuíam empatia, eram simplesmente pessoas com transtornos de personalidade narcisista e psicóticas. Um filme que fez uma evolução para o que vivemos no mundo de hoje. Sem que o diretor precisasse refazer nenhuma cena. É incrível como chegamos em 2020 ao INSTINTO SELVAGEM.

E o que seria o INSTINTO SELVAGEM em 2020? Terei que recorrer a Zigmund Bauman (sociólogo Polonês) grande pensador moderno contemporâneo com sua teoria da VIDA LIQUIDA para ele o sexo hoje é mero instrumento de prazer e não deve ser medido qualitativamente, mas quantitativamente: Quanto mais frequente e com o maior número de pessoas possíveis, melhor. Quanto menor o vinculo entre parceiros sexuais, melhor. Conexão esse é o termo usado para designar as relações da modernidade liquida no lugar de relacionamento. A superficialidade é a tônica para que se possa se desligar das amizades e relacionamentos amorosos. A vida liquida é uma vida de consumo; Tudo é objeto de consumo e vem com uma etiqueta “prazo de validade”. No mundo liquido moderno até o próprio consumidor se torna mercadoria, pois só tendo valor ele passa a ter acesso aos templos de consumo: shoppings, badalações e festas é uma sentença simples: Consumidor vira mercadoria para ser consumido. Ele pratica em sua mente o exercício da inveja que é o que o ser humano tem de mais mesquinho, ele não se sente bem que o outro possa possuir o que ele tem, sequer que o outro realize seus sonhos mais simples possíveis. O personagem do filme interpretado por Michel Douglas é a mercadoria mais consumida pelo vicio do álcool, da cocaína e por fim do sexo. Cria-se no cérebro o ciclo da recompensa que envolve áreas relacionadas a produção de dopamina como o núcleo accubens, área tegmental ventral e o córtex pré frontal( relacionado a tomada de decisão). O sistema de recompensa compreende também estruturas do sistema límbico( relacionado as emoções)

Por fim ao rever o filme vi um clima denso, pessoas com transtornos neurológicos e um ambiente criado pelo diretor Paul Verhoeven em 2020.



97 visualizações

N E C M E

71 999928683

Fax: (11) 4567-8910

©2019 por neurociência,educação, cinema, música e esporte. Orgulhosamente criado com Wix.com